Filosofia (não-) fashionista

(tô ligada que esse assunto é diametralmente oposto ao anterior no quesito importância no mundo, mas já tava pronto no rascunho e como isso é uma raridade MOR, vou liberar mesmo assim, hehehe)

Nos últimos anos antes de me mudar pra Inglaterra, eu já vinha gastando a maior parte do meu dinheiro em viagens ou outras experiências. Roupas, bolsas e acessórios estavam láaaa embaixo na lista de prioridades, e combinando isso com os preços astronômicos das coisas no Brasil, o resultado foi que eu raramente ia às compras. Mas o pior de tudo é que, quando surgia uma oportunidade boa, tipo em viagens onde as coisas eram em geral mais baratas, eu comprava meio indiscriminadamente seguindo os critérios “o preço é bom?” e “gostei da peça?”, não o critério principal: “preciso disso?”.

Não vejo absolutamente nada de errado com isso, sabe, quem nunca mandou ordenar os itens por preço mais baixo para mais alto em loja online né?! Hahahah… Mas nos últimos tempos, tenho notado duas coisas: a primeira é que meu gosto é bem clássico e ladylike, acho engraçadas e bizarras as críticas dos fashionistas à Kate por fazer “safe sartorial choices” porque sou exatamente desse time, longe de mim sair correndo pra comprar uma bota over the knee porque tá na moda. Muito pelo contrário, isso acaba criando um problema: quando as cores/silhuetas/estilos que eu gosto estão na moda, tenho que aproveitar, porque na maior parte do tempo passo o maior perrengue pra achar. Pra que frustração maior que pegar uma blusa linda nas araras e descobrir que é cropped? Ou uma saia maravilhosa e descobrir que é midi? Um casaco bem no estilo que eu queria e descobrir que o corte é boxy, que além de eu achar feio, é a pior escolha possível pro meu tipo de silhueta?! Bah, passo raiva! Hahahaha #classemediasofre mas enfim… Isso leva imediatamente à segunda coisa: nessa altura do campeonato, quando eu gosto de alguma peça, eu provavelmente vou continuar gostando por uns bons anos! Acho que meu estilo já se estabilizou o suficiente pra eu poder julgar bem uma peça, então comecei a sentir vontade de ter poucos e bons. Adoro o Tim Gunn, um consultor de moda que defende a idéia de que existem 10 peças-chave no guarda-roupa feminino e que nessas peças vale a pena procurar bem, achar uma que a gente ama, investir, cuidar direitinho pra manter, usar milhares de vezes e de vários jeitos diferentes.

Só que pra construir um guarda-roupa assim, precisa ter paciência e coragem! Paciência porque além de ser uma caça ao tesouro pra quem é crica como eu, peças de qualidade tendem a custar caro, mesmo quando a gente não paga pelo prestígio da marca, então é um processo demorado. E coragem porque você está conscientemente fazendo uma escolha com que você pretende conviver por bastante tempo, então no meu caso sempre rola aquela dúvida “ih mas vai que semana que vem eu descubro uma outra peça que faz a mesma função e gosto ainda mais?”. Mas acho que com esse segundo problema é igual a achar um vestido de festa que você gosta: pare de procurar imediatamente!

Eu precisava de uma bolsa preta pro dia a dia. Achei, comprei, paguei mais caro do que pretendia mas tô apaixonada por ela desde que comprei. E nunca mais procurei/cobicei bolsas pretas, pelo simples motivo de que não preciso de uma! Não é maravilhoso? Acho libertador e pretendo levar a vida assim, porque acho que além de firmar um estilo pessoal, é uma maneira de se blindar um pouco contra o consumismo desenfreado. Não piro quando vejo aqueles closets abarrotados de roupas, gente, sério mesmo. Fico agoniada com acúmulo louco de coisas. O que eu quero pro meu futuro fashionista (ou NAO-fashionista, no caso) é abrir o meu guarda-roupa e ver uma coleção de peças que tem tudo a ver comigo, que fazem parte da minha história, quase como uma curadoria de museu sabe?! Vamos ver se vou conseguir colocar isso em prática. Devagar e sempre!

Tendo dito isso, acho tentador que aqui as coisas se renovam muito, muito rápido, no meu caminho pro trabalho tem sempre coisa nova nas vitrines das fast-fashion. E os preços são razoáveis, então se a gente não se controlar, acaba comprando uma coisinha aqui e outra ali, de novo porque gostou e porque cabia no bolso, mas não porque precisava. E às vezes somando os valores dessas compras “de estação”, daria pra comprar uma única peça atemporal. Acho que o que eu quero dizer é que quero comprar de um jeito mais consciente, mais pensado, mais planejado mesmo. Nada de “ah, vou entrar pra ver o que tem de novidade”.

Então hoje eu quero registrar (pra poder me cobrar depois, hehehe) as coisas que eu de fato preciso nesses próximos meses:

  • Jeans: alguém de fato gosta de comprar jeans? Eu tô sempre querendo perder 2-5kg então fico sempre postergando, deixando pra depois. Mas né, chega uma hora que é um mal necessário, hehehe. Então quero jeans skinny escuros, e se encontrar um modelo bom quero comprar o mesmo em preto também.

skinnyjeans

  • Casaco de lã caramelo: tenho um casaco preto que eu amo, mas um casaco sozinho não faz inverno na Inglaterra, hehehehe. Quero um acinturado, tailored, desses bem femininos que valorizam o meu corpo e que vão bem desde o trabalho até um jantar em restaurante bacana.

Casaco caramelo

  • Bota preta de camurça: faz tempo que quero uma dessas e devia ter comprado no Brasil no inverno passado, porque aqui as duas únicas que eu encontrei custam os olhos da cara, então continuo na procura de uma mais mid-range e/ou criando coragem pra comprar a escolhida! Pra usar com jeans mas principalmente com vestidos/saias e meia-calça, que eu adoro e acho super gostoso de usar nessa época. Prefiro usar vestidos no outono e inverno do que no verão, porque na imensa maioria das vezes, acho tudo curto demais, então nessa época acho uma beleza porque é só usar uma meia preta opaca e fico bem mais confortável.

371984_large

  • Cardigan de cashmere: uma coisa que eu não fazia e venho fazendo nos últimos tempos é sempre olhar a etiqueta pra ver a composição da peça. Incrível a diferença em aquecimento que faz uma maior porcentagem de lã, e descobri que mesmo 5% de cashmere já faz uma diferença enooorme na textura! Agora meu próximo objetivo é comprar uma blusa 100% cashmere, pra cuidar tipo filha e ter por muitos anos, hehehe.

002231820

  • Casaco de pena de ganso ultra leve: pra usar em situações informais em que o que importa mesmo é estar quentinha, tipo nas caminhadas que fazemos quando vou pra casa da minha sogra ou quando saio à noite pra fotografar. Trouxe uma do Brasil que devo ter há uns 7 anos, mas ela não é tão quente quanto eu gostaria. Essa aí embaixo é da Uniqlo, uma marca especializada em roupas de alta performance. Achei que as coisas seriam bem mais caras! Uma dessas é só uns £15 mais cara que uma qualquer da Mango… Só não sei se compro essa cor de burro quando foge, a azul ou a preta.

31_133103_large

  • Blusas (jumpers), cachecóis e gorros de qualidade melhor: mesmo argumento que ali em cima, quanto mais lã, mais quentinha é a peça. No começo do outono, comprei uma blusa de fast fashion que nem foi muito cara, mas tem uma porcentagem maior de lã, que nem me lembro quanto, e só posso usar quanto tá 10 graus pra menos, hehehehe senão morro de calor! Mas enfim, a maioria dos acessórios da H&M, Topshop, Zara são de acrílico, então tenho um gorro cinza bem bonitinho que não posso usar por mais de meia hora, porque o negócio me pinica tanto fico me coçando igual um macaco com piolho! Hahahah puro glamour!
  • Lightroom: esse não é de vestir, mas eu preciso mais do que roupa! Hahahah é um software de edição de imagens e eu preciso urgentemente otimizar meu workflow. Organizar melhor pra editar mais rápido. Adoro fotografar e queria postar mais aqui, imprimir, etc mas acabo sempre emperrando na pós-produção.

lightroom

Enfim, até o fim do inverno eu volto pra contar quantos itens risquei da lista e quantos eram da qualidade que eu queria!

Anúncios

6 respostas em “Filosofia (não-) fashionista

  1. Oi, Gabi!
    Descobri seu blog por acaso, acho que no instagram da Adriana Miller, e adorei!
    Nossa, você escreve muito, muito, muito bem!
    Estou gostando de acompanhar suas “aventuras” na Inglaterra. Na verdade, depois que conheci o Reino Unido em razão de um intercâmbio do meu irmão (fui visitá-lo várias vezes), morar aí passou a ser meu sonho dourado.
    Queria te perguntar se você aprendeu a fotografar sozinha ou se fez algum curso. Se fez, qual? Suas fotos são lindas!
    Abraços!

    Curtir

    • Oi Elisa! Que legal, muito obrigada, fiquei super feliz com o teu comentário 😍 pois é, acompanho o blog da Dri há muitos anos, desde o começo de 2010 acho, então sempre a vi como inspiração pra realizar meu próprio sonho também!
      Nunca fiz curso de fotografia não, fui aprendendo os princípios básicos sozinha aos poucos, com livros, blogs, artigos na internet e tals. Tem tanta coisa boa na internet que sempre fiquei meio com dor no bolso de pagar um curso, e agora que me viro ok eu já não me encaixo nem no “iniciante” nem no “intermediário” direito heheheh
      Beijos!

      Curtir

  2. Sigo exatamente essa filosofia: guarda roupa super editado / minimizar consumo/ qtidade > qualidade. Sempre dôo no mínimo uma peça se compro outra nova. Faço isso há uns anos e AMO meu guarda roupa, sempre tenho roupas legais para usar. Super apoio essa iniciativa!

    Curtir

    • Oi Michelle! Pois é, acho que isso estimula a gente a comprar de maneira mais consciente. Desde que cheguei em Londres ainda não fiz limpa nenhuma no guarda-roupa porque ainda não sei onde doar, mas quero adotar essa prática de doar uma peça pra cada nova que comprar!

      Curtir

  3. Ei Gabi, muito boa a idéia de registrar as peças que realmente precisa para uma tentativa de consumo mais consciente. Comprei um casa da Uniqlo desses ultra light down, pretinho básico e com capuz. Ficou sendo meu único casaco quando ia pra Londres até eu perdê-lo. E o capuz é ótimo pelo fato de funcionar como sombrinha. Adorei seu blog, sua maneira de escrever. Sempre leio blogs referentes a Londres e é o primeiro que leio escrito por uma médica formada e com residência feita aqui no Brasil trabalhando em Londres, e na especialidade. E que felicidade ao descobrir que também é minha especialidade. Parabéns pelo blog! Mandarei um email com umas (várias) dúvidas! Abraços!

    Curtir

    • Oi Natalia! Obrigada!! Pois é, acho que vai ser interessante voltar depois do inverno pra registrar quais dos itens eu de fato comprei! Hehehe
      Recebi o teu email (fofooo!) e vou responder assim que possível, to no meio de uma semana de plantões mas sexta ou sábado respondo 🙂 beijao!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s