Flamenco intimista

O flamenco

Desde que soube que a prova seria em Sevilha, já fui direto no Viaje na Viagem pra ver o que Riq Freire e o pessoal do fórum estavam falando sobre as opções.

Existem basicamente 3 categorias:

– extorsão pega-turista: os shows combinados com jantar, que tendem a ser uma furada porque né, o negócio deles acaba não sendo nem o jantar, nem o flamenco. Pode não ser tão má ideia pra quem precisa de comodidade acima de tudo, digamos alguém que está viajando com idosos e tals. Mas por motivos óbvios, foram os primeiros que risquei da lista.

– shows de flamenco puro, em museus ou casas especializadas. Alguns têm um bar pro pessoal poder beber uma sangria por ali mesmo. Em geral bastante frequentados por turistas independentes, já que os de excursão ou montados por guias tendem a ser os do item acima.

– bares e casas populares onde os sevilhanos vão pra beber umas e dançar. Pense casas de samba e forró no Brasil, sabe? Pessoas que adoram dançar, mas não dão show, e portanto o ambiente será informal e nada montado.

Eu tava com tudo engatilhado já pra comprar pra mim e pra minha amiga na Casa de La Memoria Al-Andalus, quando encontrei meu chefe mais descolado de todos, um italiano de Milão que personifica o espírito do viajante, ao invés do turista (eu apesar de gostar de fazer tudo bem independente, sou bem turista, sou tímida pra conversar com os locais e etc). Eis que ele me contou que chegou em Sevilha, foi conversando por aqui, por ali e de repente descobriu uma raridade num teatro minúsculo que fica no meio do Mercado de Triana, que é o mercado público de Sevilha.

Cheguei no hotel nesse dia e fui imediatamente Googlar, porque inicialmente achei que ele tava falando do La Carboneria, que faz parte do terceiro tipo que descrevi ali em cima, e apesar de ser super a fim de ir a um desses se tivesse mais tempo, o que eu queria mesmo na minha única oportunidade nessa viagem era assistir a um show, gente que faz isso pra viver, que respira o flamenco, a bailarina que dança flamenco desde os 4 anos de idade, sabe como?!

Quando só encontrei reviews em espanhol sobre o Intimamente Flamenco, mandei mensagem na hora pra minha colega dizendo “MUDAMOS DE LUGAR, comprei esse aqui!” hahahaha e foi uma das melhores, senão A melhor decisão da viagem!

Então às 20h aparecemos no Mercado de Triana, que fica do outro lado do rio e é uma área meio hipster, meio cool, onde vários dos melhores bares de Sevilha ficam (a Calle Betis). O gerente, super simpático, nos deu nossos ingressos dobrados em forma de cone com um ursinho jelly dentro. Já gostei!

Aí saímos, demos uma volta pelo mercado, que além de lindo, com os nomes dos stands em azulejo colorido

Anúncios

A maior burrice da minha vida viajante

Vou começar a registrar minha primeira ida à Espanha e minha paixão pela Andaluzia pelo fundo do poço: contando sobre a maior burrice que já cometi na minha vida viajante!

Normalmente adoro marcar minhas viagens com super antecedência, geralmente 4-6 meses antes e às vezes mais. Nesse caso, como tinha duas colegas que fariam a mesma prova, ficou uma lenga-lenga que eu particularmente odeio, gosto de decidir e reservar tudo o quanto antes, então quando vi que faltava exatamente um mês pra viagem, achei a gota d’água e resolvi fazer tudo independente das decisões delas, porque já sabia o que queria da viagem. Queria vir pro congresso, fazer a prova na sexta, ir pra Córdoba no sábado, já que domingo a mesquita fecha em dois horários pra missa, e voltar o mais tarde possível no domingo.

Pois bem. No meio de um fim de semana de plantões noturnos, pelas 17:30, logo depois de acordar e antes de ir trabalhar, dei aquela última pesquisada no SkyScanner: OPA!!! Esse voo direto da BA pra Gatwick às 21:05 não tava aí antes! Saiu melhor que a encomenda! Que sorte! Fechou!

Marquei pelo eBookers, que eu nunca tinha usado antes. E recebi o e-ticket da ida no mesmo dia, mas por algum motivo o da volta nunca veio. Aí, na semana da viagem, fui no site da BA, em “manage my bookings”, botei o código, achei a reserva e o voo começou a aparecer. Ok, problema resolvido, check in da ida feito, check in da volta só abre 24h antes então vou colocar um lembretinho aqui no celular pra quando estiver na hora.

Fast forward uma semana.

Ontem à noite, cheguei exaaaaausta de Córdoba depois de caminhar 20km pra lá e pra cá o dia todo. Tava morta de sono, mas daquele jeito passando dificuldade pra ficar acordada mesmo sabe, mas pensei “ah não vou arriscar, vou aguentar mais 20 minutinhos acordada até 22:05 que logo o check-in abre e aí eu vou dormir mais tranquila”.

  
Eis que chegou a hora de abrir o check-in. Abri o aplicativo da BA e achei estranho que esse voo tava aparecendo depois dos meus voos de janeiro e de fevereiro… Cliquei nele pra ver qualé desse aplicativo que tá desorientado no tempo:

    

  
O QUÊ???????? MARÇO?????

Gente, nessa hora TUDO passou pela minha cabeça em um segundo, tipo um filminho desses de flashback de filme.

O último voo que eu tinha marcado no SkyScanner no meu desktop tinha sido meu voo pro Brasil, cuja volta é no primeiro fim de semana de março, que tem um sábado dia 5 e um domingo dia 6. Qualquer semelhança não será mera coincidencia!!! Meu SkyScanner abriu o calendário da volta em março de 2016 e como a primeira semana de março é igual à primeira semana de dezembro, não percebi o erro e mandei ver amarradona!!! Ainda achei o máximo minha sorte! Hahahah bem que minha mãe me ensinou a desconfiar quando a esmola é demais!

Não consigo me conformar como pode eu ter visto o negócio tantas mil vezes sem ENXERGAR! Obviamente sempre leio tudo várias vezes antes de confirmar a reserva, então até entendi como a burrice aconteceu, mas não entendi ainda como ela se perpetuou! Hahahaha de repente me vi em Sevilha, com uma semanada de plantões noturnos me esperando em Londres dali a menos de 48h e –quel horreur– sem ver a cereja do bolo Sevillano: o Alcázar! A fortaleza moura que depois teve palácios reais construídos no seu interior, uma pérola da arquitetura Mudéjar que ainda hoje é usada como residência real e ainda o local onde Colombo recebeu oficialmente autorização pra partir para as Américas.

Queria ver um vídeo da minha descoberta, minha cara deve ter sido um sarro! Em 45 minutos, passei de incredulidade pra raiva de mim mesma pra ponderação sobre dormir nos bancos de Barajas pra poder sair de Sevilla no fim da tarde e fazer o dia intenso de turistagem que tinha planejado, pra depois chegar a conclusão de que seria irresponsável começar uma semana de plantões já exausta e mal-dormida, e finalmente um voo marcado com milhas pra Londres via Madrid, que significava que eu tinha que deixar Sevilha em menos de 12h!

Olha, vou dizer que apesar da vergonha incomensuráaaaaaavel de uma burrice dessa monta, ainda consegui ficar orgulhosa do jeito que lidei com o imbroglio. Não entrei em pânico em momento algum e um minuto depois de descobrir, meu cérebro já tava fervilhando com planos B, C, D, E e F, meu celular quase dando tilt com aplicativos de viagem na sequência tentando decidir a melhor combinação, ainda tentando conciliar minha vontade de ficar em Sevilha o mais tempo possível com a responsabilidade de estar em Londres descansada na segunda feira à tarde. Tinha umas 42 horas pra estar em Londres e graças a Deus tinha flexibilidade financeira caso precisasse pagar um voo direto, que obviamente 12h de antecedência tava custando um braço e uma perna. Então fiquei de boa e procurei a opção com melhor custo-beneficio. Acabei comprando um voo com avios + uma parte em dinheiro, que ainda me custou menos do que o voo com pernoite em Madrid, cuja implicação prática é um auto-presente a menos no Natal. Pq afinal de contas, depois dessa, não mereço muita coisa né?! Hahahahaha  

 
Então é isso, lesson learnt 😒

Tenho plena consciência de que se fosse em outro lugar, em outra situacao, poderia ter sido um pesadelo! Então em nenhum momento deixei de agradecer o fato de ter flexibilidade, de ter 3G ilimitado, de estar relativamente perto de onde precisava ir, com milhares de opções, por mais ou menos inconvenientes que fossem. Em aviação e em anestesia, near-misses são um conceito muito reconhecido e valorizado, porque te ensinam a perceber onde começaram os erros e assim a evitar catástrofes. Então 🙏🏻.

Mais um lado bom: eu queria muito ver o Alcázar ao entardecer, porque é o melhor dos dois mundos, pega-se a luz dourada do por do sol e a blue hour já com as construções iluminadas (quem me conhece sabe que amo fotografia noturna!), mas nessa época do ano eles fecham as 17h, e o sol só se põe às 18:10. Além disso, fiquei com o coração na mão de não ir a Granada pra ver a Allambra, mas dessa vez realmente não tinha como estender a viagem por causa dos plantões, que são um saco de trocar. Entao, já que terei que voltar, da próxima vez de repente consigo reunir tudo o que queria!
Meu dia de hoje teria começado no Alcázar, seguido por uma visita ao Archivo de Indias, onde está o Tratado de Tordesillas,  cartas de Colombo descrevendo a América e muitos outros documentos e mapas históricos, depois ia visitar a Plaza de Toros La Maestranza, que é uma das maiores e mais famosas da Espanha e não tem mais touradas mas tem um museu sobre elas. E terminaria o dia no Metropol Parasol, um projeto desses loucamente inovadores que foi feito pra revitalizar a Plaza de La Encarnación. Os projetistas dizem que é a maior estrutura em madeira do mundo! A praça abriga o antiquário da cidade, mas meu maior interesse era subir, perambular e fotografar (d)as passarelas, que rendem uma vista sensacional da cidade histórica ao fundo com a modernidade do próprio Parasol no primeiro plano.

Mas já que tava ali pertinho, levantei cedo e fui fotografar o Parasol logo depois do nascer do sol e deixei Sevilha, metade deprê, metade rindo da minha própria palhaçada, completamente apaixonada pela Andaluzia e mais certa do que nunca de que retornarei!

  

     

 Que eu amei a Andaluzia, eu amei, e passar o inverno nesse solzinho diário que começa com 5-8 graus e ao meio dia tá 23 até que não é má ideia, mas né, tenho um amor maior que tudo por Londres e muitos compromissos, então aqui estou nesse aeroporto confuso mas lindo que é Barajas, aguardando meu voo pra casa!